A menina dos chocolates do trem, minha melhor foda.

Oi galera, meu nome é Sergio, tenho 40 anos, tenho 1,80m e porte físico normal, nem magro nem gordo, sou branco de cabelos e olhos castanhos, mas vamos ao que interessa.

Trabalho no centro do Rio de Janeiro e moro na Zona Oeste, por questão de trânsito viajo de trem. Numa sexta-feira dessas voltava para casa bem tarde, era o último trem do dia. Umas três estações antes da minha passou no vagão, que já estava bem vazio, uma menina vendendo chocolate, morena, cabelos cheios e encaracolados, estava com uma calça comprida bem apertada que desenhava a bunda arrebitada, e uma blusinha com a barriguinha chapada aparecendo, o desenho dos seios pequenos e durinhos era nítido. Um rostinho lindo aparentava ter 16 ou 17 aninhos, mas ela me disse ter 20, Soraya seu nome.

A chamei para comprar chocolate e ela sentou do meu lado com ar de cansada e preocupada. Puxei conversa e ela me disse que estava desde cedo vendendo e que tinha pegado o trem errado, e pelo adiantado da hora não daria para ela voltar e pegar o trem que a levaria para casa.

Falei que morava em frente a uma estação, se ela quisesse poderia ir para minha casa, tomar um banho, jantar e descansar até a hora de voltar. Ela disse que não, perguntei como ela iria fazer, ela disse não saber.

Insisti para ir para minha casa, ela perguntou: “Moço o senhor quer me comer né?”. Dei um sorriso e falei para ela ficar despreocupada que não faria nada com ela. Ela foi para outros vagões continuar vendendo o chocolate e quando se aproximou da minha estação ela voltou:

“Jura que não vai me comer a força”?

“Juro”.

“Então vamos”.

Chegamos ao meu AP, dei uma camiseta, um short e uma toalha para ela e indiquei o banheiro para tomar um banho. Enquanto isso preparei algo para comermos. Não demorou muito e ela veio do banho só de camiseta que ficava grande nela, me devolveu o short, e perguntou se podia colocar a calcinha e o sutiã dela para secar atrás da geladeira. Ela estava somente com a camiseta em cima do corpo desnudo. Cheirosa, tinha me pedido para usar uns perfumes que estavam no banheiro.

As pernas lindas, lisinhas e grossas, bem torneadas, os peitinhos furando o pano, apontados para cima, a bunda arrebitada levantava a parte de trás da camiseta.  Estava difícil cumprir a promessa de não come-la.

Jantamos, ela ajudou a lavar a louça, preparei a cama dela na sala, tomei um banho e me deitei para ver um pouco de TV. Ela perguntou se podia ver TV comigo, deitou ao meu lado e encostou a cabeça no meu peito. Meu pau disparou na hora, ficando duro igual uma barra de ferro.

Ela se acomodou em meu peito, colocando a coxa sobre minhas pernas, na hora ela sentiu minha caceta. Sua respiração ficou um pouquinho mais ofegante.

A abracei acariciando suas costas com a mão, bem devagar fui puxando a camiseta dela para cima. A bunda linda e lisinha dela começou a aparecer. Continuei puxando, ela esticou os braços me deixando retirar por completo a camiseta. Seu rostinho encostado ao meu peito demonstrava um sinal de timidez.

Com sua ajuda retirei meu short, minha vara dura pulou e encostou-se às suas carnes quentes.

Nos beijamos na boca deliciosamente, um beijo doce e molhado. Minha mão entrou entre suas pernas e pude sentir os pelinhos que cobriam a boquinha da sua xereca todos lambuzados. Coloquei o dedo nela, já toda melada de tesão. Ela apertava meu pau e mordia meu peito toda vez que eu esfregava seu grelinho.

Lentamente a fui virando de barriga para cima, beijando sua orelha e lambendo seu pescoço. Seu corpo era simplesmente lindo, moreno, sem estria, nem celulite, nem marcas, só as marquinhas de sol nos peitinhos, na bundinha e na bocetinha.

Comecei a chupar aqueles peitinhos que pareciam duas perinhas suculentas e deliciosas, arrancando gemidinhos daquela menina deliciosa.

Percorri com a boca cada milímetro de seu corpinho, lambendo tudo. Gastei tempo na barriguinha de Soraya beijando e chupando cada espacinho. Abri suavemente suas coxas e lambi em volta da vagina completamente melada e já bastante gozada dela mesma. Ela implorava para chupar sua boceta. Fiz sua vontade, enfiei a língua lentamente dentro da bocetinha, trazia a língua e lambia o grelinho duro e eriçado. Isso a fazia se contorcer de tesão, apertar minha cabeça com as coxas, gemendo baixinho, quase miando. Esguichos de gozo saiam de dentro dela, estava no vigor do tesão.

Fui mudando de posição sem parar de chupar sua xaninha, direcionei minha piroca para sua boquinha que abriu e acolheu tudo. Que delicia, boquinha apertada, molhada e quente, ela chupava bem devagar fazendo eu me tremer dos pés a cabeça. Chupava lentamente a cabeça e depois engolia a vara toda. Não queria gozar ainda. Tirava o pau, respirava fundo e colocava de volta na sua boca.

Depois de muito tempo, subi nela, seu corpo estava quente, muito quente e não parava de tremer. Apesar de ser uma noite fresca, estávamos molhados de suor. Me coloquei entre suas pernas, segurei o caralho e esfreguei na entradinha dela. Senti ela se abrir lentamente, parecia me puxar. Empurrei aos poucos, senti a cabeça entrar, deslizando facilmente, apesar de bem apertada estava muito melada, fui entrando todo sem maiores problemas, até chegar ao fundo. Ela era quente, molhada, encharcada e muito apertadinha, sua xereca latejava, quase esmagando minha caceta, uma delícia sem palavras para descrever.

Comecei bombando devagar, fui aumentando o ritmo, os gemidos dela foram aumentando, o barulho de nossos corpos se chocando era cada vez maior, sua bocetinha latejava freneticamente, ela mandava eu foder ela muito. Eu enfiava com toda força, meu corpo tremia, o gemido dela virou gritos de prazer, nos agarramos com toda força, beijamos na boca como se fossemos nos engolir e gozamos alucinadamente, despejei jatos e mais jatos de porra quente e grossa dentro da deliciosa boceta da Soraya. Nossos corações quase pularam do peito. Caímos praticamente desacordados na cama. Tentei me levantar, as pernas bambearam, olhei para Soraya que estava estatelada na cama de olhos fechados e as pernas abertas, minha porra escorria como um rio de dentro de sua boceta.

Conseguimos ir tomar banho, a porra escoria pelas pernas dela até os pés, era muita esporra.

Voltamos para cama, depois de uma sacanagem no chuveiro  partimos para mais uma seção de foda.

Sentei na cama ela se ajoelhou no chão e fez um boquete maravilhoso, melhor que o primeiro.

Trocamos de posição, agora era eu ajoelhado no chão, ela arreganhada, com as pernas no meu ombro e minha língua lambendo seu sexo. A fazia gozar muito.

Deitei-me e Soraya montou em mim, cavalgando com minha vara em sua xana, como ela sabia mexer, toda a timidez tinha ido embora. Ela rebolava, subia, descia, fazia tudo. Seu gozo escorria pela minha pica. Seus peitinhos tremulavam enquanto ela pulava, eu os agarrava e acariciava como de fossem duas joias raras.

Muito depois, a coloquei de quatro e meti de uma vez em sua boceta, peguei-a pela cintura e enfiava tudo e trazia até quase sair e enfiava de novo.

Debrucei em suas costas, uma das mãos dedilhava seu grelinho, a outra amassava os peitinhos durinhos e delicados.

Ela me pedia para chama-la de minha putinha. Estava enlouquecido com aquela ninfeta.

Tirei o pau de dentro dela e coloquei na entradinha de seu cuzinho. Forcei a entrada, mas era muito pequenininho, não podia imaginar minha rola grossa naquele buraquinho. De início ela reclamou, mas, me deixou ir até o fim. Se a bocetinha era apertada, o cuzinho nem se fala, foi difícil, mas com calma e jeito, entrei todo, até minhas bolas baterem no rabinho dela.

Meu pau estava ardendo de tão apertado. Fomos nos acostumando e fui aumentando o entra e sai. Era gostoso demais. Agarrei-a pela cintura, nos levantamos com meu pau encaixado eu seu cuzinho, fui até a sala a coloquei em uma mesinha e detonei seu rabo. Soraya chorava de tanto levar no rabo. Dava soco na mesa. Ao mesmo tempo eu esfregava com a mão seu grelinho fazendo com que gozasse sem parar. A menina tinha orgasmos múltiplos. Seu corpo pegava fogo, parecia estar com febre.

Minha vista escureceu, soltei um urro como um animal no cio e gozei no cuzinho de Soraya, parecia que não iria mais parar de sair esporra do meu saco, era muita. Enchi o rabo dela literalmente.

Quando puxei a caceta, ela deu um gritinho e voou porra longe. Um rio escoria de dentro dela. Ela sangrava um pouquinho, cuidei dela e dormimos como nunca tínhamos dormido antes.

Pela manhã preparei um café da manhã para ela que já tinha perdido a hora de trabalhar. Saiu correndo para comprar mais chocolate para vender. Deu um dinheiro a ela para ajudar, mas, ela se recusou a receber, disse que não era puta. Perguntou antes de ir se podia voltar, então, toda sexta é meu dia de comer minha Soraya, a menina dos chocolates do trem.

Fiquei engatada pelo cu com meu dog.

Oi queridinhos, meu nome é Jeniffer e tenho 23 aninhos, sou moreninha clara, cabelos pretos compridos e ondulados. Tenho seios fartos e duros, cintura fina e bunda grande. Coxas grossas, tenho 1,57 m. Tenho muito tesão e quando estou sem namorado uso uns brinquedinhos que adoro para me saciar. Minha bocetinha e bem pequena, mas, como fico muito molhadinha acabo conseguindo engolir umas varas bem grossas.

O fato que vou contar aconteceu justamente em um período em que estava sem namorado. Estudando, trabalhando, ajudando meus pais em casa e na loja, minha vida estava uma loucura.

Um sábado cheguei em casa logo após o almoço, estava exausta e cheia de tesão, tinha um tempinho que não transava nem usava meus brinquedinhos. Tomei um banho quente bem demorado, como estava sozinha, vim pra sala só de calcinha e um topezinho, e me joguei no sofá.

Temos um cachorro enorme, um dinamarquês, se chama Thor. Deixei a porta da sala que dá para o quintal aberta e Thor entrou. Eu estava com as pernas esticadas com os pés no chão, Thor veio e deitou-se nos meus pés. Ele estava de lado, fiquei vendo o pirocão que ele tem. Grande e grosso, mesmo encapado. Conforme eu olhava ia ficando com mais tesão ainda, comecei a imaginar aquilo dentro de mim. Já me apertava de vontade.

Então, me ajoelhei ao lado dele e comecei a fazer carinho na picona dele, que logo foi saindo da capa. Era grande, grossa e brilhava de tão melada que estava. Peguei uma vasilha com água, um paninho e dei uma limpada nela. Conforme ia limpando ele parecia ficar excitado, fazia um movimento como que bombando uma cadela.

Não resisti, caí de boca, fui lambendo, lambendo até colocar tudo na boca e chupar com vontade, ele ia soltando um líquido aos jatos na minha boca. Enfiei os dedos na minha xaninha toda melada e toquei uma siririca deliciosa. Mais um pouco de chupada e ele jogou litros de porra quente, que eu engoli tudinho, tinha um sabor diferente da porra de homem, sei lá, era mais gostosa.

A essa altura eu já estava descontrolada, queria rola canina dentro de mim. Corri no quarto, peguei um par de meias grossas, e fita cola, li isso em um conto, coloquei as meias nas pata da frente do Thor e enrolei com fita, para ele não arranhar minhas costas. Sentei no sofá, tirei a calcinha que já estava toda encharcada, abri as pernas e chamei o totó. Thor começou a me lamber, que língua gostosa, eu me tremia toda, danei a gozar na língua dele, que quando sentiu meu cio ficou louco, queria montar em mim.

Me ajoelhei no chão, coloquei a barriga apoiada no sofá, e deixei ele me fazer de cadela. Ele subiu em mim, colocou as patas na minha cintura e começou a tentar enfiar em mim, sentia a ponta da caceta dele batendo em tudo que é lugar, batia nas minhas coxas, bunda, entrada da xereca, que desespero dele querendo furar a cadela.

Coloquei minha mão entre as pernas, segurei ele e ajudei, colocando na entrada, ele deu um tranco e enfiou tudo de uma vez na minha bocetinha, fui na lua e voltei. Minhas pernas tremiam, ele bombava com força, cada vez mais forte. Senti o leite dele escorrer dentro de mim, a piroca crescia, ficava mais dura e inchada, latejando muito nas minhas entranhas. Uma bola cresceu dentro de mim, fiquei nervosa, e ele me fazendo gozar como nunca tinha gozado na minha vida.

Era um mar de porra canina enchendo meu útero, eu gritava de prazer, que foda deliciosa. Até ele parar, ficou quieto, sentia muita porra escorrer. Ele passou a perna por cima de mim e ficou de costas, estávamos engatados. Fiquei muito nervosa, ele queria me arrastar, me agarrei no sofá, segurei ele pelas pernas e ficamos assim parados engatados em tempão. Uma hora ele puxou e a pica saiu, fez um estalo. Fiquei completamente arrombada pela bola dele.

Caí ali mesmo deitada quase desmaiada. Thor veio me lamber limpando toda porra que ele mesmo jogou dentro de mim. Aquilo me deixou louca, queria mais.

Fiquei de quatro de novo como se fosse a cadela dele e deixei ele a vontade. Montou imediatamente em mim e começou a me fuder. Eram pinceladas que entrava e saiam da minha xaninha. Até que numa dessas ele acertou meu cu, foi tudo dentro, que dor, dei um berro, me agarrei no sofá tentando tirar ele de dentro do meu rabo mas não deu, era relaxar e deixar ele me enrabar.

Enquanto ele estocava meu rabo eu me masturbava, era uma gozada atrás da outra, estava molinha de tanto gozar. Minhas coxas eram uma cachoeira de melzinho descendo.

Sentia meu cuzinho se encher de porra quente, era muita porra, aí a bola dele foi crescendo dentro. Fiquei apavorada, se na boceta foi aquele estrago, imagina no cu?

Não tinha jeito, era deixar ele esvaziar o saco dentro do meu rabo. Muitos jatos de porra depois, ele se virou de costas para mim e fiquei engatada pelo cu. Ele saiu me arrastando, tentei me segurar de novo, mas, não consegui, fui atrás dele feito uma cadela engatada. Ele foi na direção da porta, o desespero foi enorme, se ele me arrasta para o quintal e alguém me vê engatada nele. Não sabia o que fazer. Saímos porta a fora, eu pelada engatada pelo cu com um cachorro. Me ralei toda, até ele parar no meio do quintal, não conseguia sair, estava presa.

Passaram pessoas na calçada, mas para minha sorte não olharam pelo portão, o quintal eatava escuro com as luzes apagadas. Finalmente a pica dele saiu, meu arrombou o cu todo. Escorria muita porra de dentro de mim. Se eu me levantasse iam me ver. Fui rastejando até a varanda e entrei em casa, ninguém me viu. Limpei tudo aos trancos.

Tomei um banho, os rombos na frente e atrás eram muito grandes, estava ardendo e doendo, dava para colocar a mão. Fui para o quarto e desmaiei na cama até o dia seguinte, nem vi meus pais chegarem. De manhã olhei o Thor lembrando os momentos maravilhooosos e o susto que ele me deu.

Não conseguia mais me segurar de vontade de cruzar com ele, sempre corria para casa para ser a cadela do Thor, mas, passei a tomar cuidado de fechar a porta antes.

Deixem seus comentários que vou adorar ler.

Finalmente arrombei a delícia da minha enteada

Meu nome é Marcelo, tenho 45 anos e sou casado com Clara de 42. Quando nos casamos ela já tinha uma filha, Jéssica, de 2 anos. Jéssica, que hoje tem 18 aninhos, linda, morena, 1,75m de altura, coxas bem desenhadas, cintura fina, peitos duros e volumosos, nariz arrebitado, olhos negros iguais aos cabelos que são encaracolados e compridos. Continuar lendo “Finalmente arrombei a delícia da minha enteada”