Para ganhar um aumento, botei minha mãe na suruba.

Olá pessoal, me chamo Ricardo, tenho 21 anos, não tenho nenhum atrativo que mereça descrever. Moro com minha mãe, que é separada de meu pai, ela tem 41 anos, é bem branquinha, 1,70m mais ou menos, gosta de se cuidar para poder paquerar, cintura fina, bunda grande, peitão, coxa grossa, bonita, cabelos pretos e compridos, e geralmente é uma pessoa muito simpática com todos.

Um dia desses foram lá em casa o Antônio, meu chefe direto, Paulo Cesar, o chefe dele e dois colegas de setor, Zé Carlos e Celsinho, para tomarmos umas cervejas. Minha mãe preparou uns petiscos, levamos as cervejas e começamos a beber. Minha mãe nos acompanhou, ela gosta de tomar uma cerveja, estava com um vestidinho apertado, que delineava bem seus peitões e seu rabão, comprido e aberto do lado, que às vezes deixava suas pernas de fora. Muito simpática, conversava e brincava com todos, notei alguns olhares de tesão para ela, o que achei normal, eu mesmo morria de tesão por ela. Numa determinada hora, ela já meio alegrinha falou que ia dormir, pois já estava bem alta. Todos riram e ela se foi.

O pessoal falou que ela era legal, e bonita, um falou que ela era gostosa, que sem ela ali não tinha graça, fiquei meio puto com esses elogios. Vi que se ela desse mole eles comiam minha mãe.

Em um dado momento, com todos já bem levados pelo álcool, Antônio meu chefe falou que se comesse minha mãe me dava um aumento, o chefe dele, Paulo Cesar, falou que cobriria o aumento se eu arrumasse para ele comer minha mãe.

Minha cabeça imaginou mil coisas, pedi licença e fui lá em cima onde ficam os quartos. Devagar, abri a porta do quarto da minha mãe, ela estava com uma calcinha enfiada na bunda e uma camisetinha, deitada de bruços bem arreganhada, num sono pesado, roncava direto.

Perguntei para eles se era verdade a história do aumento e eles confirmaram. Então falei que ia arrumar as coisas naquele momento, eles não acreditaram. Fiz uma caipivodka bem forte, coloquei numa garrafinha pet e subi. Levantei a cabeça dela e a fiz tomar tudo para ficar bem bêbada. Ela gosta de caipivodka e já estava pra lá de alta, bebeu tudo e apagou de vez.

Chamei o pessoal. Entraram no quarto e viram ela deitada, não entenderam nada. Falei pra eles aproveitarem que ela não ia acordar tão cedo. Ninguém acreditou. Então, fui até ela e puxei a calcinha para o lado deixando seu bocetão aparecendo, abri mais suas pernas e chamei o Antônio, ele veio desconfiado, peguei a mão dele e coloquei na bunda dela que nem se mexeu.

Ele tomou coragem e enfiou os dedos nela, depois abriu mais um pouco a caiu de boca no bocetão dela. Os outros se aproximaram e tiraram a blusa e a calcinha deixando minha mãe pelada, coloquei o pau duro para fora e fiquei vendo tudo.

Zé Carlos colocou o pau na boca da mamãe, que começou a chupar instintivamente, o Paulo Cesar a virou de barriga para cima, ficou pelado, e montou nela, me aproximei e puder ver a rola dele penetrando a bocetona da minha mãe. Ele socou muito e com força nela enchendo sua buça de porra. Quando tirou vi a goza dele escorrer de dentro dela.

Agora era a vez do Antônio foder mamãe, mas, antes ele me fez pegar papel toalha e limpar a porra de dentro dela, eu enfiei os dedos com papel toalha no bocetão quente e melado dela e limpei tudo, eu já estava quase gozando, enquanto isso Zé Carlos e Celsinho gozaram enchendo sua boca e lambuzando a cara dela de porra.

Antônio a colocou de bruços pôs dois travesseiro embaixo dela montou e meteu por traz na boceta, ele suspendia ela pela cintura e socava a rola, eu queria gozar, não aguentava mais, ia esperar Antônio acabar para eu gozar dentro dela.

Depois de muita socada Antônio gozou muito no bocetão. Não aguentei mais, subi na minha mãe e enfiei a rola dura na boceta toda esporrada dela, foram duas ou três estocadas e gozei litros na mamãe. A galera queria mais, ela não tinha reação, só gemia.

Celsinho sentou na cama de pau duro para cima, o Zé Carlos e o Paulo Cesar a pegaram e a colocaram sentada no colo dele de frente com as pernas dobradas, ele meteu na boceta dela e a puxou para seu peito ficando os dois deitados e ela de bunda para cima. Zé Carlos se ajoelhou por trás e meteu no cu da minha mãe. Ficaram os dois enfiando nela até gozarem. A cama estava toda melada, aquela altura minha mãe já tinha levado seis esporradas.

Alguém foi pegar cerveja, e eu e Antônio demos uma arrumada nas coisas, tomamos uma para refrescar, e o PC a colocou para mamar deitada de bruços, não fiz por menos, deitei por cima e fodi aquele rabão que me fez ter mil sonhos eróticos por toda vida. Quanto mais pensava que estava fodendo minha mãe com mais força socava no rabo dela. Maravilhosos. Enchi o cu da minha mãe de porra quente.

Agora era a vez do PC  foder o cu dela, que estava imóvel, fazíamos o que queríamos com ela, era nossa escrava. Sempre tinha dois dentro dela, um na boceta e outro no cu, sem contar que as rolas não paravam de entrar na boca da mamãe.

Perdi as contas de quantas vezes cada um fodeu ela. Eu tinha dado três na minha mãe, acho que cada um deu três, quatro, acho que o Zé Carlos varou minha mãe cinco vezes.

Todos se foram deixando o quarto e minha mãe em petição de miséria, era porra para todo lado, lençol, fronha, tapete, tudo. Ela era um poço de porra, estava toda lambuzada, a boceta inchada e o cu todo arregaçado, o cheiro de porra e sexo era enorme. Já eram umas três horas da madrugada, ela não ia acordar tão cedo. Tinha que organizar tudo.

A peguei no colo e a coloquei dentro da banheira, eu continuava nu, e no auge de meus 21 anos três gozadas não era nada, meu pau estava completamente duro.  Dei banho nela, tinha que limpar ela toda, enfiava o dedo nela para tirar a porra e não aguentei, entrei na banheira e deu mais uma esporrada dentro dela. Consegui terminar o banho. Levei-a para o quarto, troquei as roupas de cama, deitei ela e quando ia vesti-la o pau subiu de novo, porra estava tudo limpinho e eu ia melar tudo. Meti no bocetão dela e fiquei lá dentro um tempão, socando devagar as vezes com força, mas sozinho era a paz que eu queria para comer minha mãe. Na hora de gozar tirei, coloquei em sua boca e jorrei tudo garganta abaixo.

A vesti e fui para meu quarto tomei um banho e deitei sem conseguir dormir o restinho de madrugada, não parava de pensar em tudo aquilo.

Pela manhã ela acordou reclamando de ressaca e de um gosto esquisito na boca. Não sei se ela sentiu a boceta e o cu doendo. Acho que não desconfiou de nada, agiu normalmente comigo.

O aumento? Os filhos da puta não me deram, mas foi a melhor sacanagem que fiz na vida.

Se você já passou por coisa parecida, conta aí nos comentários.

O dia que eu comi a titia

O relato que vou fazer aconteceu há algum tempo, quando eu tinha 16 anos.
Minha tia, irmã da minha mãe, que na época tinha uns 29 anos,  tinha acabado de separar do marido. Ela era muito bonita e gostosa.  Mulata alta, peitos volumosos e duros,  cintura fina, quadris e bunda grande, coxas grossas,  meus amigos eram doidos por ela,  e eu também.
Nesse dia minha mãe mandou levar umas coisas para ela, que morava em uma casa. O portão estava aberto,  dei a volta e entrei pelos fundos em silêncio. Quando cheguei na sala, minha tia estava nua, sentada na poltrona,  de pernas abertas, passando prestobarba no bocetão,  lambuzado de creme.
Fiquei estatelado, olhos arregalados, pau duro, sem conseguir me mexer.
Quando ela me viu sorriu e perguntou o que foi?
Eu sem ação,  só apertava o pau por cima da bermuda.
Ela mandou eu me aproximar e ajudar a raspar a boceta.
Me ajoelhei, peguei o prestobarba e comecei a raspar ela, tremia muito,  ela mandou ter cuidado para não corta-la.
De repente ela tirou o aparelho da minha mão e puxou a minha cabeça ao encontro dela, toda melada de creme.
Comecei a chupar a titia,  lamber, arrancar gemidinhos dela. O melzinho dela escorria pelo meu queixo,  uma delícia.
Depois de um tempo ela me colocou de pé e veio com seus lábios carnudos na direção da minha pica. Eu nunca tinha ficado com uma mulher.
Mal ela colocou a boca quente e molhada na cabeça eu despejei uma dose cavalar de leite quente no rosto dela,  que riu.
Aí ela me chupou bastante, eu estava alucinado de tesão.  Ela deitou no tapete abriu as coxas deliciosas e mandou que entrasse nela.
Comecei a foder minha tia, antes de meter a metade dei uma gozada forte, ainda com o pau muito duro, enfiei o resto. Socava com muita força,  era minha primeira vez. Ela era deliciosa, muito quente e bastante melada e apertada. Gozei de novo.
Ela me jogou de costas no tapete e montou em mim. Cavalgava cadenciadamente, seus melões suculentos subiam e desciam me deixando com muito tesão. Enchi, de novo,  a boceta quente da titia.
Ela ficou de pé, pegou um paninho no sofá e enfiou no bocetão, limpando toda sujeira que eu tinha feito lá dentro.
Depois me sentou no sofá e ajoelhada vez um boquete que nenhuma outra mulher fez melhor depois dela. Me deixou duro igual uma barra de ferro.
Pegou o creme que ela usava para se depilar, passou no meu pau,  ficou de quatro no tapete  e mando eu comer o cuzinho da titia.
Muito nervoso,  enfiei tudo de uma vez, arrancando um gritinho e uma risada dela, me chamando de guloso.
Eu fodia forte o cuzinho dela, apertava os peitões, alisava o grelinho dela que rebolava feito uma puta.
Fazia ela gozar como louca,  nunca encontrei mulher melhor que ela.
Depois de muita socada e com o pau todo esfolado,  gozei muito no cuzinho da titia.
Caímos quase desanimados no tapete. Depois de um tempo fomos tomar banho juntos,  ainda consegui forças para comer ela no chuveiro, e fui embora nas nuvens. Não acreditava que tinha comido a minha tia.
Fiquei quase um ano fodendo ela sem parar, até ela se mudar para outra cidade.

Mamãe, titia o cavalo e eu.

Olá pessoal, outro dia vim aqui contar um fato do meu passado, quando vi minha mãe e tia transando com um pônei.

Hoje vou continuar de onde parei.

Após o fato, não conseguia parar de pensar nas bocetas delas arreganhadas, com se me chamassem. Continuar lendo “Mamãe, titia o cavalo e eu.”

Meu cunhado me comeu na casa de praia.

Essa historia aconteceu e alguns meses, meu nome é Adalberta, mas todos me chamam de Beta. Sou branquinha, loura de cabelo curto, olhos verdes, coxas bem definidas, bunda grande e arrebitada e seios fartos. Tenho uns pneuzinhos que meu marido acha uma delicia. Continuar lendo “Meu cunhado me comeu na casa de praia.”

Minha cunhada crente agora é minha puta.

Outro dia li um conto que fala que a melhor carne que tem é a de cunhada. Eu concordo. É uma delícia.
Minha cunhada, irmã da minha esposa, se chama Adriana, é crente, tem 1,70m, loira de olhos verdes, peitos fartos e uma bunda grande. Tem um belo corpo, apresar de viver escondido nas roupas compridas e largas que usa. Continuar lendo “Minha cunhada crente agora é minha puta.”

Depois da sacanagem no trem, comi minha cunhada na varanda

0,,44207145,00

Gente, a melhor coisa do mundo é comer a cunhada, não tem coisa melhor, carne de cunhada é uma delícia. Vou contar para vocês como comecei a comer a minha.
Tenho 38 anos, 1,75m, branco, cabelo castanho, corpo normal, nem gordo nem magro. Sou casado, a irmã da minha esposa tem 30 anos, casada, baixinha, branquinha, loura de olhos verdes, seios pequenos, bunda arrebitada e uns pelinhos douradinhas nas coxas grossas e bem desenhadas. Continuar lendo “Depois da sacanagem no trem, comi minha cunhada na varanda”