Comi e fui comido pela traveca maravilhosa.

Oi pessoal hoje vou contar uma história verdadeira. Pensei muito antes de contar, tem gente que tem preconceito e não entende certas coisas.

Sou casado, pai de duas filhas, tenho uma boa aparência, 1,75m, 70 kg, moreno, e um pau um pouco maior que a média.

Numa sexta-feira dessas sai estressado do serviço e parei em um barzinho para tomar um chope antes de ir embora.

Vi que umas três mesas a frente da minha tinha uma morena, de olhos verdes, cabelão, peitos duros, me olhando.

Quando ela viu que eu a olhava disfarçou, abaixou os olhos, depois se levantou e foi ao banheiro, aí pude ver que corpo maravilhoso ela tinha, estava com uma calça apertada, uma cintura fina, bunda arrebitada e coxas torneadas, fiquei apaixonado, queria aquela delícia.

Quando ela voltou olhei firme para ela que disfarçava o olhar, até que me olhou, eu sorri e perguntei se podia sentar com ela que fez um talvez com a cabeça.

Peguei meu chope e fui, sentei e conversamos bastante, era uma mulher muito agradável e inteligente. Tatiane o nome dela. O papo rolou até eu dizer que estava a fim dela, o que a deixou incomodada.

Pedi desculpas, disse que havia ido muito rápido. Foi quando ela me disse que também estava a fim, porém queria me dizer uma coisa, mas tinha medo da minha reação, queria que eu ficasse tranquilo, e se fosse o caso ela iria embora na boa. Falei que podia me falar sem susto, eu era acostumado a surpresas.

Foi quando ela me falou que era um traveco. Fiquei sem ação, imaginava tudo menos isso. Tatiane era uma mulher perfeita, não tinha nada que entregasse que ela era um traveco, nada, voz, gogó, pés, nada. Fiquei mudo, ela, lógico percebeu meu espanto e disse que ia embora. Não deixei, pedi que ficasse e conversássemos mais. Ela ficou.

Era boa de papo, meu espanto foi passando, o tesão voltando, as idéias de uma experiência diferente não saiam da cabeça,  então a chamei para um motel, ela perguntou se eu tinha certeza, falei que sim e fomos.

Chegando ao motel eu estava muito ansioso, era minha primeira vez com um traveco. Nos abraçamos e demos um beijo delicioso na boca, senti os peitões dela encostado em mim, estava louco de vontade de foder aquele cuzinho que me parecia maravilhoso.

Tirei a camisa, sentamos na cama, entre muitos carinhos e beijos tirei a blusa e o sutiã dela. Caí de boca nos seus peitos, ela abriu minha calça e colocou meu pau para fora, segurando com força, o que me deixou mais louco ainda.

Queria tirar a calça e a calcinha dela, mas estava apreensivo de como iria reagir com o que ia encontrar.

Tatiane se ajoelhou na minha frente e fez um boquete como nenhuma mulher fez. Chupava a cabeça, sugando muito, engolia tudo até o fim depois tirava da boca e colocava minhas bolas na boca, eu ia à lua e voltava.

Tomei coragem e tirei toda sua roupa, junto com um corpo maravilhoso apareceu uma pica pequena, mas cabeçuda. Tirei o resto da minha roupa, nos deitamos e as carícias foram totais, ficamos abraçados nos beijando na boca, sentia sua pica dura encostar na minha.

Coloquei-a de quatro e enfiei lentamente minha rola nela, que rebolava e aceitava meu caralho em seu rabo. Tudo dentro comecei a foder aquele cu, entra e sai delicioso, nós dois gemendo sem parar, tomei coragem e segurei na caceta dura dela, quente e pulsando na minha mão.

Tirei a pica do rabo dela, deitei de barriga pra cima e ela sentou de frente pra mim, cavalgando forte, sua rola subia e descia apontada pra mim.

Toquei uma punheta nela e acabamos gozando juntos, foi estranho, mas gostoso sentindo a porra quente da traveca me lambuzando todo, enquanto enchia aquele cuzinho apertado de goza quente.

Nos refizemos, tomamos um banho e voltamos. Ela voltou a me chupar, pediu que eu a chupasse, não pensei duas vezes e coloquei a rola da Tatiane na boca. Chupamos muito um a rola do outro, Tati deitou de ladinho e eu enfiei tudo na bunda dela, e tocava punheta nela.

Ficamos engatados fodendo gostoso até eu encher o cuzinho dela de porra. Ela não gozou, se virando pra mim, me deitando de bruços, se deitando sobre mim, me penetrou com carinho e suavidade.  Senti cada milímetro da caralha da Tati entrar no meu cu, até aquele momento virgem.

Sentia ela metendo em mim bem devagar, sua pica latejando até explodir em uma esporrada quente e abundante foi alucinante, uma experiência única e deliciosa. Eu me tremia todo, tinha sido enrabado com direito a ter meu cu enchido com a porra do traveco.

Fomos tomar um banho, eu sentia meu cu doer, arder, a porra dela escorrer, era demais.  Queria ser enrabado por ela novamente.

Nos entregamos mais uma vez ao prazer, chupamos um ao outro, pedi que Tatiane me comesse, depois a comi bastante e deixamos o melhor para o fim, gozamos juntos, um na boca do outro, foi delicioso sentir pele primeira vez aquele gosto saboroso de porra quente e fresca. Engoli tudo e saboreei com muito prazer aquela iguaria.

Caímos de cansaço,  dormimos juntinhos a noite toda,  só cheguei em cada de manhã,  tive que inventar uma história pra esposa.

Não consigo parar de pensar na Tati, a traveca que me fez de puta e me deixou apaixonado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s