Esposa crente trai o marido pela primeira vez.

Oi pessoal, meu nome é Bárbara, sou crente, tenho 1,75, morena clara, cabelos pretos, lisos e compridos até a cintura, olhos azuis, tenho 32 anos e um corpo perfeito, coxas torneadas, peitos redondos no tamanho ideal, bunda levemente arrebitada, sou casada e tenho dois filhos.

O que vou relatar aqui aconteceu de verdade e nunca tive coragem de contar para ninguém, por isso resolvi entrar num site de contos eróticos para desabafar.

Meu comportamento sempre foi de uma mulher crente e casada, me dei ao respeito, uso roupas discretas, mas, mesmo assim arranco muitos olhares e piadinhas dos homens.

Sexo com meu marido é normal, sem grandes aventuras, ele me procura, tem relações comigo, as vezes gozo outras ele vai tão rápido que não consigo gozar, mas fico satisfeita em dar prazer para ele. Ele nunca fez sexo oral em mim nem eu nele, sexo anal nem pensar.

Sempre escuto as colegas de trabalho contar suas experiências sexuais e fico imaginando se aquilo é verdade, elas falam de gozadas alucinantes, múltiplas, gozadas anais, e tudo mais. As vezes fico excitada, chego a ficar molhadinha de ouvir aquelas besteiras.

Uma colega mais próxima de mim, com quem conto algumas coisas da minha vida, vive me falando para eu experimentar um dia sair com outro homem para ver o que realmente é prazer. Fico me sentindo uma pecadora só de pensar.

Nas três últimas vezes que meu marido me procurou eu não consegui gozar com ele. Ele subiu em mim, me penetrou, gozou e foi para o banheiro me deixando toda lambuzada e cheia de vontade. Na última vez fui para o banheiro depois dele e me masturbei, me senti super mal.

A vontade de provar um homem que me fizesse subir pelas paredes, gozar várias vezes sem parar não saia da minha cabeça. Fazia de tudo para não pensar nisso.

Numa quarta feira fui ao ginecologista e ele me deu o dia, então fui resolver umas coisas, sai do consultório um pouco tremula e bastante envergonhada comigo mesma, pela primeira vez durante o exame fiquei mexida, excitada. O médico foi muito profissional, mas ele mexer em mim me balançou.

Parei para almoçar, estava em uma mesa e um homem na mesa de frente não tirava os olhos de mim, fiquei até pensando que ele tinha notado que estava excitada. Era um homem elegante, alto, forte, cabelos grisalhos e de terno.

Antes que a comida chegasse ele veio até a mim pediu licença e perguntou se poderia almoçar comigo, disse que odiava almoçar sozinho, ele foi tão educado e com um olhar tão gentil que permiti. Nos apresentamos e conversamos um pouco, rapidamente ele me deixou bem a vontade, tinha uma conversa inteligente e muito tranquila, bem educada.

Me disse que tinha se separado recentemente, e que aquilo o tinha abalado muito, falei que meu casamento não ia muito bem, mas sem entrar em detalhes. Mudamos de assunto, falei que estava estudando para um concurso, ele disse que conhecia bem a matéria específica e me convidou para ir ao apartamento dele pegar material de estudo, o que eu não aceitei. Ele fez mil juras que era um homem sério, que poderia confiar, e acabei cedendo, não sei bem se confiei nele ou se no fundo queria dar pra ele.

Chegamos ao apartamento, fiquei com um pouquinho de medo, entramos, me sentei no sofá, ele tirou o paletó e a gravata, pegou suco para mim e pegou livros e apostilas sobre o concurso, e começou a me dar uma mini aula, fiquei bem tranquila.

Um momento, olhei e ele estava me olhando, me disse que eu era uma mulher muito bonita e que tinha um olhar de quem estava muito triste e precisando de atenção e carinho, e fez um leve com os movimento com os dedos tirando o cabelo de meu rosto. Me tremi toda, mas deixei ele me acariciar, sabia que ele ia tentar me comer e eu não iria resistir, no fundo queria ser comida por aquele homem gentil.

Sentindo que deixei, ele me acariciou mais pelo rosto, fechei os olhos e inclinei minha cabeça em direção ao seu ombro. Senti sua respiração próxima de mim. Logo seus lábios colaram nos meus e demos um beijo gostoso, tranquilo. Suas mãos acariciavam meus braços, descendo ate colocar sobre minas coxa. Enquanto nos beijávamos sua mão foi entrando por baixo da minha saia alisando minhas pernas que se abriam levemente.

Ele beijava meu pescoço, meu ouvido. Minhas pernas se abriam cada vez mais, ele começou a alisar minha xaninha, que já estava toda molhadinha, aos poucos foi colocando seus dedos dentro de minha calcinha e em seguida enfiando dentro de mim. Estava cheia de tesão, segurei seu pau por cima da calça e apertei. Tranquilamente, ele abriu a calça e colocou o pau para fora, era muito grande, grosso e estava duro, latejando. Gentilmente ele me segurou pela nuca e me direcionou para seu pau, encostei os lábios, ele me deixou a vontade, não me obrigou. Comecei beijando, lambendo até colocar tudo na boca, era a primeira vez que tinha um cacete na boca. Estava louca de tesão, chupei como se soubesse bem o que fazia, arrancava gemidos dele, que tirou minha blusa, meu sutiã e lambeu meus seios, me deixando alucinada. Chupei muito ele, que retirou minha saia, abriu minhas pernas, se ajoelhou no chão e chupou minha boceta. Gozei loucamente em sua boca. Já estava totalmente nua, nunca tinha estado com outro homem, fomos para o quarto, deitamos na cama, ele se deitou sobre mim e senti seu cacete ir entrando lentamente em mim, enquanto ele me beijava.

Já todo dentro de mim seus movimentos foram aumentando, compassadamente, mais forte, mais forte, eu gemia e me debatia toda, nossas respirações ofegantes, nossos gemidos altos, ele me beijava, me chamava de gostosa, eu gozava como nunca, uma vez atrás da outra, ele gemeu que ia gozar, que ia me encher de porra quente, e encheu, senti um mar de porra quente me inundando, gozei muito forte junto com ele, foi demais.

Relaxamos, tomamos um banho, eu ainda meio tímida, voltamos para cama, queríamos mais. Ele, delicadamente, como sempre, chupou minha boceta me fazendo querer muito foder outra vez, chupei o deixando completamente duro.

Muitas carícias após ele se deitou de cacete para cima e me trouxe, sempre delicado, e me fez subir nele. Montei e cavalguei como uma puta, estava me sentindo uma vadia, mas estava adorando.

Cavalguei muito, gozei muito, então ele me colocou de quatro e me possuiu igual a uma cadela. Segurava meu braço para trás e meus cabelos. Socava com violência, mas estava gostoso, não me machucava. Apertava meus seios com carinho, mordia minhas costas, sua mão dedilhava meu grelinho, me fazendo provar pela primeira vez do orgasmo múltiplo. Sentia seu cacetão latejar dentro de mim, meus ombros encostados no colchão, minha bunda para cima senti que seu gozo estava perto. Ele me inundou de novo com muita porra quente e grossa, enquanto gozava ele socava fazendo sua porra escorrer pelas minhas pernas que tremiam muito.

Desabei na cama, tremia de nervoso e prazer, ele se deitou, me deitei em seu peito procurando proteção. Ele foi maravilhoso, carinhoso o tempo todo, atencioso, me tratou como uma mulher gosta.

Fiquei ali bastante tempo, depois tomei banho, me arrumei e fui para casa. Mais tarde meu marido chegou, me fez cumprir minhas obrigações de esposa, abrir as pernas e deixar ele gozar. Fiquei com medo dele notar alguma coisa, mas, que nada, meteu, gozou e foi para o banheiro. Me senti uma puta, mas ele merecia isso.

O que vocês acharam? De sua opinião. Devo continuar a trair meu marido? Vou gostar de saber a opinião de vocês.

4 comentários em “Esposa crente trai o marido pela primeira vez.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s