A menina dos chocolates do trem, minha melhor foda.

Oi galera, meu nome é Sergio, tenho 40 anos, tenho 1,80m e porte físico normal, nem magro nem gordo, sou branco de cabelos e olhos castanhos, mas vamos ao que interessa.

Trabalho no centro do Rio de Janeiro e moro na Zona Oeste, por questão de trânsito viajo de trem. Numa sexta-feira dessas voltava para casa bem tarde, era o último trem do dia. Umas três estações antes da minha passou no vagão, que já estava bem vazio, uma menina vendendo chocolate, morena, cabelos cheios e encaracolados, estava com uma calça comprida bem apertada que desenhava a bunda arrebitada, e uma blusinha com a barriguinha chapada aparecendo, o desenho dos seios pequenos e durinhos era nítido. Um rostinho lindo aparentava ter 16 ou 17 aninhos, mas ela me disse ter 20, Soraya seu nome.

A chamei para comprar chocolate e ela sentou do meu lado com ar de cansada e preocupada. Puxei conversa e ela me disse que estava desde cedo vendendo e que tinha pegado o trem errado, e pelo adiantado da hora não daria para ela voltar e pegar o trem que a levaria para casa.

Falei que morava em frente a uma estação, se ela quisesse poderia ir para minha casa, tomar um banho, jantar e descansar até a hora de voltar. Ela disse que não, perguntei como ela iria fazer, ela disse não saber.

Insisti para ir para minha casa, ela perguntou: “Moço o senhor quer me comer né?”. Dei um sorriso e falei para ela ficar despreocupada que não faria nada com ela. Ela foi para outros vagões continuar vendendo o chocolate e quando se aproximou da minha estação ela voltou:

“Jura que não vai me comer a força”?

“Juro”.

“Então vamos”.

Chegamos ao meu AP, dei uma camiseta, um short e uma toalha para ela e indiquei o banheiro para tomar um banho. Enquanto isso preparei algo para comermos. Não demorou muito e ela veio do banho só de camiseta que ficava grande nela, me devolveu o short, e perguntou se podia colocar a calcinha e o sutiã dela para secar atrás da geladeira. Ela estava somente com a camiseta em cima do corpo desnudo. Cheirosa, tinha me pedido para usar uns perfumes que estavam no banheiro.

As pernas lindas, lisinhas e grossas, bem torneadas, os peitinhos furando o pano, apontados para cima, a bunda arrebitada levantava a parte de trás da camiseta.  Estava difícil cumprir a promessa de não come-la.

Jantamos, ela ajudou a lavar a louça, preparei a cama dela na sala, tomei um banho e me deitei para ver um pouco de TV. Ela perguntou se podia ver TV comigo, deitou ao meu lado e encostou a cabeça no meu peito. Meu pau disparou na hora, ficando duro igual uma barra de ferro.

Ela se acomodou em meu peito, colocando a coxa sobre minhas pernas, na hora ela sentiu minha caceta. Sua respiração ficou um pouquinho mais ofegante.

A abracei acariciando suas costas com a mão, bem devagar fui puxando a camiseta dela para cima. A bunda linda e lisinha dela começou a aparecer. Continuei puxando, ela esticou os braços me deixando retirar por completo a camiseta. Seu rostinho encostado ao meu peito demonstrava um sinal de timidez.

Com sua ajuda retirei meu short, minha vara dura pulou e encostou-se às suas carnes quentes.

Nos beijamos na boca deliciosamente, um beijo doce e molhado. Minha mão entrou entre suas pernas e pude sentir os pelinhos que cobriam a boquinha da sua xereca todos lambuzados. Coloquei o dedo nela, já toda melada de tesão. Ela apertava meu pau e mordia meu peito toda vez que eu esfregava seu grelinho.

Lentamente a fui virando de barriga para cima, beijando sua orelha e lambendo seu pescoço. Seu corpo era simplesmente lindo, moreno, sem estria, nem celulite, nem marcas, só as marquinhas de sol nos peitinhos, na bundinha e na bocetinha.

Comecei a chupar aqueles peitinhos que pareciam duas perinhas suculentas e deliciosas, arrancando gemidinhos daquela menina deliciosa.

Percorri com a boca cada milímetro de seu corpinho, lambendo tudo. Gastei tempo na barriguinha de Soraya beijando e chupando cada espacinho. Abri suavemente suas coxas e lambi em volta da vagina completamente melada e já bastante gozada dela mesma. Ela implorava para chupar sua boceta. Fiz sua vontade, enfiei a língua lentamente dentro da bocetinha, trazia a língua e lambia o grelinho duro e eriçado. Isso a fazia se contorcer de tesão, apertar minha cabeça com as coxas, gemendo baixinho, quase miando. Esguichos de gozo saiam de dentro dela, estava no vigor do tesão.

Fui mudando de posição sem parar de chupar sua xaninha, direcionei minha piroca para sua boquinha que abriu e acolheu tudo. Que delicia, boquinha apertada, molhada e quente, ela chupava bem devagar fazendo eu me tremer dos pés a cabeça. Chupava lentamente a cabeça e depois engolia a vara toda. Não queria gozar ainda. Tirava o pau, respirava fundo e colocava de volta na sua boca.

Depois de muito tempo, subi nela, seu corpo estava quente, muito quente e não parava de tremer. Apesar de ser uma noite fresca, estávamos molhados de suor. Me coloquei entre suas pernas, segurei o caralho e esfreguei na entradinha dela. Senti ela se abrir lentamente, parecia me puxar. Empurrei aos poucos, senti a cabeça entrar, deslizando facilmente, apesar de bem apertada estava muito melada, fui entrando todo sem maiores problemas, até chegar ao fundo. Ela era quente, molhada, encharcada e muito apertadinha, sua xereca latejava, quase esmagando minha caceta, uma delícia sem palavras para descrever.

Comecei bombando devagar, fui aumentando o ritmo, os gemidos dela foram aumentando, o barulho de nossos corpos se chocando era cada vez maior, sua bocetinha latejava freneticamente, ela mandava eu foder ela muito. Eu enfiava com toda força, meu corpo tremia, o gemido dela virou gritos de prazer, nos agarramos com toda força, beijamos na boca como se fossemos nos engolir e gozamos alucinadamente, despejei jatos e mais jatos de porra quente e grossa dentro da deliciosa boceta da Soraya. Nossos corações quase pularam do peito. Caímos praticamente desacordados na cama. Tentei me levantar, as pernas bambearam, olhei para Soraya que estava estatelada na cama de olhos fechados e as pernas abertas, minha porra escorria como um rio de dentro de sua boceta.

Conseguimos ir tomar banho, a porra escoria pelas pernas dela até os pés, era muita esporra.

Voltamos para cama, depois de uma sacanagem no chuveiro  partimos para mais uma seção de foda.

Sentei na cama ela se ajoelhou no chão e fez um boquete maravilhoso, melhor que o primeiro.

Trocamos de posição, agora era eu ajoelhado no chão, ela arreganhada, com as pernas no meu ombro e minha língua lambendo seu sexo. A fazia gozar muito.

Deitei-me e Soraya montou em mim, cavalgando com minha vara em sua xana, como ela sabia mexer, toda a timidez tinha ido embora. Ela rebolava, subia, descia, fazia tudo. Seu gozo escorria pela minha pica. Seus peitinhos tremulavam enquanto ela pulava, eu os agarrava e acariciava como de fossem duas joias raras.

Muito depois, a coloquei de quatro e meti de uma vez em sua boceta, peguei-a pela cintura e enfiava tudo e trazia até quase sair e enfiava de novo.

Debrucei em suas costas, uma das mãos dedilhava seu grelinho, a outra amassava os peitinhos durinhos e delicados.

Ela me pedia para chama-la de minha putinha. Estava enlouquecido com aquela ninfeta.

Tirei o pau de dentro dela e coloquei na entradinha de seu cuzinho. Forcei a entrada, mas era muito pequenininho, não podia imaginar minha rola grossa naquele buraquinho. De início ela reclamou, mas, me deixou ir até o fim. Se a bocetinha era apertada, o cuzinho nem se fala, foi difícil, mas com calma e jeito, entrei todo, até minhas bolas baterem no rabinho dela.

Meu pau estava ardendo de tão apertado. Fomos nos acostumando e fui aumentando o entra e sai. Era gostoso demais. Agarrei-a pela cintura, nos levantamos com meu pau encaixado eu seu cuzinho, fui até a sala a coloquei em uma mesinha e detonei seu rabo. Soraya chorava de tanto levar no rabo. Dava soco na mesa. Ao mesmo tempo eu esfregava com a mão seu grelinho fazendo com que gozasse sem parar. A menina tinha orgasmos múltiplos. Seu corpo pegava fogo, parecia estar com febre.

Minha vista escureceu, soltei um urro como um animal no cio e gozei no cuzinho de Soraya, parecia que não iria mais parar de sair esporra do meu saco, era muita. Enchi o rabo dela literalmente.

Quando puxei a caceta, ela deu um gritinho e voou porra longe. Um rio escoria de dentro dela. Ela sangrava um pouquinho, cuidei dela e dormimos como nunca tínhamos dormido antes.

Pela manhã preparei um café da manhã para ela que já tinha perdido a hora de trabalhar. Saiu correndo para comprar mais chocolate para vender. Deu um dinheiro a ela para ajudar, mas, ela se recusou a receber, disse que não era puta. Perguntou antes de ir se podia voltar, então, toda sexta é meu dia de comer minha Soraya, a menina dos chocolates do trem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s