Segurou a esposa para eu foder.

Pessoal esse fato ocorreu comigo  há pouco tempo, agora que passei a ler contos eróticos tomei coragem para contar.

Tenho 35 anos, 1,78m, 70 kg, moreno de cabelos preto e físico normal. Sou casado e nessa época procurei por um pedreiro conhecido para fazer um serviço lá em casa, era bastante serviço e daria uma grana.

Falei com o João, um pedreiro de seus 54 anos, bem forte, meio bronco, que já tinha feito serviço pra mim, e pedi um orçamento. Estava com pressa e liguei para ele que me pediu que passasse a tardinha em sua casa para combinarmos.

Chegando lá, falei que iria procurar por outros pedreiros para avaliar o melhor preço e daria uma resposta em breve, João queria de qualquer maneira a obra.

A esposa dele, Sofia, estava fazendo seus afazeres domésticos. Parecia ter uns trinta e poucos para quarente anos. Morena, cabelos compridos presos, bunda e peitos grande. Ela estava de saia, conforme ia trabalhando suas pernas as vezes ficavam um pouco a mostra. Apesar de não ter uma vida muito confortável era uma mulher gostosa e bonita. Fiquei olhando para ela tentando disfarçar, cheguei a ver até quase a calcinha dela.

João notou que eu disfarçava e olhava para mulher dele. Pediu que a esposa fosse comprar duas cervejas para bebermos, falei que não precisava, mas ele insistiu e ela foi.

Quando ela saiu ele disse que reparou que eu olhava para mulher dele, fiquei sem graça e ele disse: O Dr. gostou? Podemos fazer um acordo. O senhor come ela em troca da obra.

Achei que ele estava puto, me fiz de indignado, mas ele disse que estava tudo bem, que ela tinha que dar a cota dela de sacrifício para conseguir um trabalho para o sustento da casa. Então perguntei se ela concordaria, ele disse que achava que não, mas daria um jeito. Pediu que quando ela chegasse eu fosse ao banheiro e voltasse logo.

Aquela situação me deixou doido, de pica muito dura e latejando. Era uma situação muito estranha.

Quando ela voltou com as cervejas fui ao banheiro e deixei os dois na sala, voltei logo como ele me pediu. Ela estava sentada no sofá grande e não gostou nada da ideia. Fala que não, não, então cheguei e João mandou eu sentar. Ela tentou levantar para sair e ele a segurou. Tentou de novo e ele a jogou deitada no sofá e a segurou pelos pulsos, ela esperneava, se batia, enquanto João tentava levantar a saia dela e dizia deixa o Dr. te comer.

Então ele rasgou a saia dela, a blusa e arrebentou o sutiã, deixando-a só de calcinha e com os peitões de fora. Mandava em meter a vara nela. Que tesão, ela se esperneava e me pedia para não fazer. Não adiantou, tirei a calça, fui pra cima dela que começou a chorar, tirei a calcinha dela, e vi um bocetão bem peludo, com sinais que estava molhado, enfiei os dedos e depois meti a rola nela. Estava melada sim, João a segurava e mandava eu meter com força na égua dele. Mandava eu foder o bocetão dela. Encher a esposa dele de porra. João delirava com a cena.  Enquanto eu bombava na boceta, mamava os melões suculentos dela, que estava assustada e muito ofegante.

João a segurou com uma das mãos e com a outra botou a vara pra fora e começou a tocar uma punheta. Dizia que seu sonho era ver outro macho foder e encher de gala a xana da mulher dele. Depois de socar muito enchi as entranhas dela de porra quente numa gozada deliciosa. Sai de dentro dela e João esporrou a cara da esposa, a lavando com um banho de porra.

Ele a segurando pelos braços a fez se ajoelhar na minha frente que estava sentado no sofá, e a botou para mamar minha caceta. Mesmo forçada ela chupou com muita vontade. Meu pau pulou de novo.

João colocou a esposa debruçada no braço do sofá, de bunda para cima, sentou e a colocou para chupar sua rola, e mandou que eu enfiasse no cu dela. Cheguei por trás, abri as pernas e coloquei a cabeça, ela tentou sair, mas a segurei junto com João, enfiei até o talo na bundona dela. Comia aquele rabo com vontade.

João mandou que eu a levantasse pela cintura, e se sentou, eu engatado no rabo dela a levei até João que veio puxando na direção dele, eu fui para frente preso nela e desci até ela ficar sentada de frente com o marido que preencheu sua xana com o cacete dele. Sofia estava empalada pelas nossas rolas duras.

Eu socava no cuzinho, apertava os peitões dela, enquanto João mamava de socava na bocetona cabeluda de Sofia, que a essa altura tinha se entregado ao prazer e gozava feito uma puta. Puxei seu cabelo para trás e chupei seu pescoço deixando marcas do meu tesão em seu corpo.

Após um tempo nessa foda maravilhosa, eu e João encharcamos Sofia com nossa porra quente, deixando ela toda lambuzada, quando se levantou nossa porra escorria pelas pernas dela. Ela correu para o banheiro e eu e João fomos tomar nossa cerveja e fechar o negócio da obra.

Depois, por vontade dela fizemos a mesma sacanagem umas três vezes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s