Flagrei o pastor fodendo minha mulher crente

Meu nome é Sebastião, tenho 49 anos e sou negro, tenho uma pequena firma de pedreiro e muitas vezes eu mesmo meto a mão a faço o serviço, isso me ajuda a ter um bom porte físico. Minha mulher, não vou dizer seu nome, tem 32 anos é uma negra de 1,65 m, bonita, bunda grande, peitos fartos, cabelo encaracolado, de uma família de crentes, frequenta a igreja desde que nasceu. Na nossa vida sexual temos sempre algumas divergências, pois ela diz que não pode fazer certas coisas por que é errado. Por exemplo, sexo anal, sexo oral, e outras brincadeiras.

Estava em casa num sábado de manhã e ela tinha ida à igreja. Recebi uma ligação de um cliente querendo um orçamento urgente. Quando ia saindo vi que ela tinha esquecido de levar a chave. Como ela demorava mais que o normal, para não me atrasar levei as chaves na igreja para ela.

A igreja parecia vazia, sem nenhum movimento, o portão estava fechado, mas não trancado. Entrei em silencio e fui para porta principal que estava trancada. Olhei pelo vidro e não tinha ninguém, mas a porta dos fundos estava aberta. Fui por lá. Entrei, ouvi um sussurro tipo um gemido, parecia alguém chorando. Achei que fosse alguém contando algum problema para o pastor. Para não atrapalhar andei bem devagar e olhei por uma janelinha para sala de onde vinham os choros.

Quase cai sentado, tive que me apoiar nas paredes para não cair. Minha mulher estava debruçada em uma mesinha apoiada pelos cotovelos, saia levantada com o bundão cor de chocolate para o alto, blusa toda aberta e o sutiã levantado, de pernas abertas e o pastor com a calça arriada até o chão metendo a rola nela.

Não sabia o que fazer, fiquei olhando, pensando numa atitude. Meu pau ficou duro. Resolvi olhar mais. Ele meteu a mão na boceta dela e tocou uma siririca enquanto socava com força. Os peitões dela que parecem dois ovos de páscoa deliciosos balançavam, roçando os bicos na mesa. Ela o mandava meter com mais força. A mesa parecia que ia quebrar. A única coisa que pensei em fazer foi colocar a pica para fora e tocar uma em homenagem a crente piranha da minha mulher.

Eu via o melado do prazer deles escorrer pelas pernas mulatas da minha mulher, a puta do pastor. Ela gemia igual uma gata no cio, rebolava e dava soco na mesa, ele a apertava pela cintura e força a mão no bocetão dela, a chamando de irmã gostosa.  Eu estava quase gozando. Ele empurrou a vara bem no fundo dela e urrou igual a um urso, esporrou as entranhas quente e deliciosa da minha mulher, enquanto o corno aqui esporrava na mão.

Quando ele sacou a rola pude ver como era grande a caceta do pastor, vermelha e grossa. Saiu um mar de porra branca escorrendo pelas pernas de ébano da minha nega, que ficou paradinha esperando descer tudo. Minha vontade era de chorar, ir lá acabar com a farra.  Depois ela ficou em pé, tirou a saia, se ajoelhou e abocanhou a rolona do pastor de uma só vez, minha piroca pulou na hora, preferi, como bom corno, continuar olhando. Ela chupava como nunca me chupou, parecia puta profissional, ele deve ter ensinado para ela. As vezes engolia tudo, as vezes vinha tirando deixando só a cabeça na boca sugando e lambendo para em seguida engolir tudo de novo, lambia e colocava as bolas dele na boca. Depois ela  deitou de costas na mesa, segurou as pernas em posição de frango assado e pediu para ele meter de novo. Ele não pensou duas vezes e empurrou dentro dela, rola na boceta e as mãos nos peitões. Eu estava adorando ver minha mulher santa, séria e recatada ser uma puta tremenda nas mãos daquele filho da puta, nãos mãos e na pica.  Ele tirava de dentro se ajoelhava e mamava a xana lambuzada dela que se tremia toda, tento espasmos de gozo. E ele subia e enfiava mais um pouco, tira de dentro, dava a volta e colocava ela para mamar mais, voltava e enfiava na gruta fervente dela. Até ela pedir para ele comer o cuzinho dela. Não acreditei no que ouvi, ela nunca me deu, dizia que era errado, que era coisa de homem com homem.

Ele segurou as pernas dela e as empurrou colando no peito, e sacou a tora e enfiou no cu da minha esposa. Foi direto, ela nem reclamou, não acreditei que foi fácil assim, quase fui lá conferir. Só acreditei quando ela disse que era uma delicia sentir ele dentro do rabo dela.

E ficaram ali, ele comendo minha mulher em posição de frango assado. Minha caceta latejava e explodi de prazer, esporrando mais uma vez na mão. Ela colocou os pés no peito dele e o empurrou o tirando do rabo, saiu da mesa, pegou duas cadeiras, colocou um joelho em cada uma ficando bem aberta, se apoiou na mesinha e mandou ele enfiar tudo. Num tranco só ele entrou novamente no rabo dela. Começou o vai e vem, cada vez mais forte e mais rápido. Gemidos fortes, tapas na bunda dela, o saco batendo nas coxas dela, que esfregava as mãos na boceta para aumentar o tesão. Era uma delicia ver aquilo. Ela gozava muito, ele sentindo um prazer enorme dentro dela, loucura total, até que mais um jorro de porra quente inundou minha mulher, dessa vez no rabo.

Ele tirou de dentro, ela continuou de quatro, dava para ver o cuzinho dela latejando e jogando muita porra para fora, escorrendo pelas pernas, a mão dela acariciava a xereca fazendo um esguicho de gozo sair de dentro dela. Ele pegou uns papeis toalhas a limpou a esporração que escorria dela, que pegou as roupas para se vestir. Corri para casa ainda de pau duro para esperar por ela e ver a história que a piranha iria me contar.

Adorei ver isso tudo e ficava imaginando se teria a sorte de ver uma cena dessa novamente.

O que vocês fariam no meu lugar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s